domingo, 18 de abril de 2010

Até quando a pedofilia vai existir?

Quantas coisas num único fim de semana. Enquanto Alagoas pega fogo com a visita da CPI da Pedofilia com confissões de levantar os cabelos e assustas criancinhas, o Papa Bento XVI numa atitude inédita viajou para Malta e se encontrou com oito vítimas de padres pedófilos. E o mais incrível, reconheceu que o erro existe e admitiu sentir-se envergonhado.


Uma atitude de um pontífice que vive num mundo diferente, onde os temas precisam ser explicados, esclarecidos e mostrados. Já que com as diversas formas de tecnologia não adianta mais a Igreja fechar suas portas e fingir que nada está acontecendo.


Infelizmente, a pedofilia é um problema grave e que sabemos bem não atinge apenas a Igreja Católica, mas toda a sociedade. Hoje em dia, temos que cuidar das nossas crianças e sempre ficar de olhos bem abertos por que o perigo pode morar ao lado. Quando comento o caso da Igreja é porque confiamos – digo os católicos – na instituição que muitos acreditam que naquele local não deveria existir o pecado, pelo menos por parte dos seus integrantes.


Achei super interessante a reportagem que li no G1 que falava com o nosso Papa estava bastante comovido com o encontro e com as histórias que ouviu. Ele teria rezado com as vítimas e familiares e assegurado que a Igreja está fazendo e continuará fazendo tudo o que estiver a seu alcance para investigar as acusações, para levar à Justiça aos responsáveis pelos abusos.


Tenho certeza que depois desses inúmeros escândalos as coisas deverão mudar. A atitude do Papa já mostra isso. Sinceramente, ele me surpreendeu, principalmente por todas as suas posturas rígidas. Foi um belo ato. Em uma das minhas últimas postagens que falava do caso do padre de Craíbas também pedófilo, comentava sobre a expectativa por alguma atitude de mudança e acho que essa do Bento XVI foi a primeira a acontecer.


Só que como disse mais acima, os casos de pedofilia não atinge só a Igreja Católica, estão por toda parte. Essa semana tive o desprazer de fazer uma triste matéria sobre a liberdade de um empresário do ramo da comunicação Carlos Leandro, que foi pego no Motel com duas meninas aqui em Maceió. Uma decepção a Justiça por em liberdade aquele homem, já que ele foi pego em flagrante, literalmente com a “mão na massa”.


Um fato que me chama atenção é que crime envolvendo menores é inafiançável e nem completos uma semana após o acontecido o empresário, provavelmente porque tem dinheiro, já estava em liberdade. O advogado alegou que era réu primário, tinha residência fixa e não colocaria em risco a sociedade, mas será que não?


Sem querer julgar, mas tirando como exemplo outros casos, tenho quase que certeza que em breve ele vai estar envolvido com esse tipo de situação novamente. Talvez não vá mais a Motéis, temendo outra fiscalização, mas com certeza usará outras crianças para saciar sua vontade e desejo.


As meninas de família humilde, que estão fora da escola e sem nenhuma perspectiva de vida foram para o Motel para receber R$ 50 cada, mas ele as enganou e só deu R$ 40 a uma e R$10 a outra. Coitadas, provavelmente sonhavam em se tornar princesa e viram naquele cara, que as abordou de carrão o sonho de mudar de vida.


Para tentar diminuir sua culpa, o empresário Carlos Leandro disse em seu depoimento que as meninas uma de 14 e outra 13 pareciam maiores, mas quando conversei com o delegado que fez o flagrante, ele me garantiu que as meninas tinham aparência de criança. Absurdo é que um juiz ainda solta essa pessoa e se rebolar, ele ainda vai conseguir sair impune desse crime.


Se a Justiça também não faz nada, a pedofilia seja ela cometida por quem for, continuará existindo com força. A impunidade faz com que os casos de violência em todas as suas instancias continuem crescendo. Hoje as vítimas foram filhas da rua, mas podem ser um dia as nossas filhas ou filhos.


OBS: Só para ilustrar, no dia que cobri a prisão desse empresário a Central de Polícia ficou fechada para a imprensa, diferente dos dias em que os “rafá me” são presos e eles abrem até o camburão para a gente fazer foto. Eles fizeram de tudo para atrapalhar o nosso trabalho, não podíamos seguir para o andar de cima para evitar constranger o preso ou sua família, coitados tinham passado a noite em claro (em tom sarcástico). Para completar na saída, os policiais quase não deixaram a gente trabalhar e os familiares agressivos chegaram a empurrar a repórter fotográfica de O JORNAL. Para vocês verem, em Alagoas quem tem dinheiro manda na Justiça, na Polícia e ainda, tenta e até consegue calar a boca da imprensa.

Um comentário:

  1. A ciência hoje já afirma ser a pedofilia uma patologia, isto não diminue a gravidade do ato, mas muda a maneira de conduzí-lo, uma vez que pessoas que possuem este desvio de comportamento devem ser tratadas e se possível afastads de oprtunidade de novos delitos,quanto a igreja católica se ve uma bela atitude de Sua santidade , o papa Bento XVI, numa atitude de humildade que só as pessoa de Deus possuem pediu que nós Cristão rezássemos pela nossa igreja, sabemos também que hoje em nossos seminários passa de 15 a 20 anos de estudo para se ordenar padre, isto é tempo suficiente para se evitar novos enganos...Bela matéria Láyra..Que DEUS nos Abemnçõe ...

    ResponderExcluir