sábado, 1 de maio de 2010

Feliz Dia dos Trabalhadores...

Entrevistando no meu dia a dia de trabalho!

Acordar cedo, ter uma rotina incansável, lutar por seus direitos fazem parte do dia a dia da maioria dos trabalhadores brasileiros. Independente de qualquer profissão, trabalhar requer destreza, paciência e muita força de vontade. É claro, que precisa estar atrelado com o bom humor e a afinidade com a profissão escolhida. Essa junção deixa a rotina ainda mais leve e fácil de levar. Senão tiver a bendita vocação, o caminho pode ser ainda mais duro.


Não são poucas as vezes que me pergunto se fiz a escolha profissional certa. E a resposta é sempre a mesma, ACREDITO QUE SIM. Apesar do salário baixo, da rotina estressante, das cobranças, ser jornalista para mim é o máximo. Sou apaixonada pelo que faço e faço com todo o gosto. Sem dúvida, não podia ter escolhido profissão melhor e olhe, que durante o processo de escolha quase deixei de lado o esse caminho.


Lembro como se fosse hoje da dúvida que fiquei no momento de preencher o cartão do vestibular. O dilema era se deveria fazer Direito que sempre foi planejado e sonhado por mim (queria ser delegada) ou se fazia outra coisa. O problema de fazer direito era que não tinha estudado o suficiente e sabia que as chances de passar não eram muito grandes ou quase nenhuma.


Foi quando, uma professora sugeriu que fizesse jornalismo. Ela dizia que tinha características que apontavam para esse lado (sempre fui falante, curiosa, adorava escrever e é claro sempre estava bem informada das fofocas do Colégio). Fiquei meio assim, por não saber exatamente o que um jornalista fazia. A única imagem que me vinha na cabeça era de ser uma Fátima Bernardes. Resisti e acabei tentando Direito mesmo, mas como já era esperado, perdi no vestibular.


Um ano se passou. Refleti, pesquisei, me inteirei e acabei me apaixonando pelo jornalismo. Resolvi tentar seguir essa profissão e acabei ingressando na faculdade. Tive estágio em quase todas as áreas da comunicação. Passei por uma rádio comunitário onde tinha um programa, em seguida para uma assessoria de comunicação, depois para a produção de um programa de TV, outra assessoria só que dessa vez institucional na Braskem, até chegar no O JORNAL e numa agência de noticias. Foram quatro anos bem trabalhados.


Sem dúvida entrar no mercado foi uma questão de sorte e muita força de vontade. Tive chefes pestes, um deles que acabou me fazendo desistir do estágio. Sem falar que já cheguei a trabalhar de graça, mas naquela época o que me valia mesmo era a aprendizagem. E aprendi bastante e sem dúvida isso foi essencial para eu descobrir a REPÓRTER que existia dentro de mim.


Um pouco depois da minha formatura – momento único e de vitória – consegui o emprego desejado e estou nele até hoje. O JORNAL se tornou minha segunda casa, onde os outros jornalistas e funcionários também fazem parte da minha família. Ali encontrei amigos e colegas, mas a maioria independente de afinidade que dividem a rotina árdua com carinho e cumplicidade.


Mas indo para o dia a dia de trabalho, sem dúvida o que mais me fascina em ser repórter é essa coisa do novo todos os dias. Sempre estamos fazendo pautas diferentes e conhecendo coisas novas. Um dia é um passeio de lancha dentro da lagoa Mundaú ou do Roteiro para fazer uma matéria especial. No outro estou dentro de uma favela acompanhando uma operação policial. Ainda no mesmo dia, posso está acompanhando de perto as novidades da política estadual.


Não desmerecendo é claro as outras profissões, mas não sei se conseguiria trabalhar presa num único lugar sempre. Detesto rotina e repetição. E é esse novo sempre, que encontro no jornalismo que me faz apaixonar todos os dias. É essa paixão que é o estimulo para eu acordar cedo, buscar informações quentes, ter força de vontade para continuar e fazer com que minha profissão seja muito além do fato de informar, mas que possa ajudar a fazer a diferença na vida das pessoas.


O importante em qualquer profissão que você esteja é que exista a vocação e a paixão. Sem esses ingredientes, a rotina será chata e cansativa, acho que não vale a pena. Para todos os trabalhadores um ótimo dia e que momentos melhores venham por ai!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário