quarta-feira, 16 de junho de 2010

Sem voz...

Já que estamos falando de pesadelos, eu estou vivendo um dos meus. Sim, não é bem uma coisa de dar medo, mas sim de dar pânico, agonia. Estou sem voz. Que coisa chata que incomoda. Logo comigo, que gosto tanto de falar. Literalmente sou daquelas que falam pelos cotovelos.

O motivo para essa minha falta de voz repentina é uma simples gripe. Mas, essa simples gripe tirou um dos meus principais instrumentos de trabalho. Imagina só, eu fazendo uma entrevista, super rouca – isso forçando – por telefone. Pobre dos meus entrevistados de hoje, eram eles tentando me ouvir e eu tentando falar.

Estou ficando doente desde segunda-feira. O corpo meio mole, a garganta arranhando. Mas, foi ontem que comecei a me dar conta que a voz estava sumindo. Insistente como sou, decidi ir trabalhar, aparentemente não existia motivos para faltar. Consegui fazer minhas entrevistas pessoalmente e voltei para redação. Hoje, aconteceu a mesma coisa, mas com uma grande diferença, quando mais forçava, mas rouca ficava.

Chegou um momento que tive que reconhecer, que apesar de toda a minha boa vontade não iria conseguir. Nem forçando ela conseguia sair. Estou falando baixo e para me entender é preciso chegar bem perto. Estou sinceramente incomodada com essa situação. Ficar calada é um verdadeiro pesadelo, juro que quase não consigo e fraquejo a todo o momento.

Enquanto isso vou ter que me contentar em falar através das letras, com a escrita. É só o que me resta!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário