terça-feira, 28 de setembro de 2010

A partir de hoje eleitor só pode ser preso em flagrante

A partir de hoje, uma Lei Eleitoral determina que até 48 horas depois do encerramento da eleição, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito, sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto. Como acontece sempre em ano eleitoral, essa semana que antecede o pleito serve para os bandidos fazerem a festa.

A Polícia Militar disse que vai reforçar o policiamento, principalmente na capital. Porém, eu não acredito. O comando de policiamento da capital informou que vai realizar operações, blitz e abordagens durante toda essa semana, para tentar coibir o aumento da violência.

Minha experiência diz para a população ligar o alerta e ficar atendo para não acabar virando estatística de índices da criminalidade. Há oito anos, eu experimentei desse veneno chamado violência, quando os números não eram tão alto. Na véspera da eleição fui sequestrada na porta da casa da minha mãe. Por sorte e graças a Deus, não passou de um susto.

Dois homens armados, renderam o carro que me deixava em casa por volta das 3h. Eles foram rápidos e não deu tempo de arrancar o veículo antes da aproximação. Nos renderam, colocaram no banco de trás, e seguiram em dispara para um destino até então desconhecido. Os bandidos por mais ameaçadores que fossem, não mexeram na gente. Apenas faziam ameaças dizendo que se ficássemos quietos seria tudo tranqüilo, senão eles nos matariam.

A cada minuto dentro daquele carro passou um filme dentro da minha cabeça sobre a minha vida.Lembranças e lembranças. Achei que iria morrer. Pensei muito na minha mãe e na minha família. Nunca roguei tanto a Deus para ser poupada e acho que ele ouviu as minhas preces e me deixou aqui para contar história. Tudo de ruim que a gente escuta falar, pensei que eles iriam fazer com a gente.

Depois de cerca de 1 hora, eles nos soltaram em Satuba. Entraram num canavial, fugiram levando o carro e mandaram a gente correr sem olhar para trás. Nunca consegui esquecer aquele dia, nenhum detalhe.Por nossa sorte, fomos deixados próximo a fazenda Primavera, as pessoas foram ótimas, nos acalmaram e conseguimos pedir ajuda. Foi a pior experiência que pude ter.

Sem dúvida o trauma desse episódio me deixou mais calejada e atenda. Não sou uma neurótica, mas uma medrosa, que morre de receio de ver esse filme se repetir. O engraçado é que quando se aproxima essa época da reta final da eleição, o filme daquela noite volta todo na minha cabeça. Inclusive, já tive pesadelos com cenas parecidas se repetindo.

Diante desse medo, que deixa meu radar de alerta ligado, deixo minha atenção redobrada e digo a vocês, meus leitores que façam o mesmo. Não custa prestar mais atenção nas ruas e nas pessoas. Sem falar que é importante evitar se expor em horários e trechos poucos movimentados, nesse período. E se for vítima, não reaja. A vida vale mais do que qualquer bem material.

Nenhum comentário:

Postar um comentário