quarta-feira, 20 de outubro de 2010

E a Justiça foi feita...

Oito anos e quatro meses, além da certeza que a Justiça dos homens foi feita. Esse foi o resultado do julgamento do técnico de enfermagem Rafael Teixeira, condenado pelo Tribunal do Júri, na noite desta quarta-feira, pela morte do policial Federal André Jerônimo Costa de Barros.

Hoje, após essa audiência, Alagoas entra para história desse país por punir um crime de trânsito, como deve ser punido quem tira uma vida. Por maior que tenha sido a fatalidade de um acidente, que assume um volante embriago, sem carteira de habilitação e em alta velocidade sabe exatamente do risco que está correndo e colocando os outros. Assume a culpa por qualquer problema.

A audiência condenatória durou mais de doze horas e foi movida de muita emoção. O promotor do caso e os assistentes de acusação foram perfeitos em suas colocações, sensibilizando os jurados de forma unânime. O auditório do Fórum do Barro Duro, ficou lotado durante todo o dia. Estudantes e curiosos dividiram a expectativa do resultado de perto com a família.

Pela primeira vez estando fora do meu trabalho de jornalista, como família, pude sentir de perto como é importante o trabalho da Justiça. Uma condenação não vai trazer de volta do Del, como era conhecido meu primo, mas vai acalentar o coração daqueles que o amavam, por termos a certeza que situações como essas podem ser evitadas. Infelizmente, as pessoas só deixam de cometer certos delitos, quando são atingidos drasticamente.

Tenho certeza que depois desse resultado condenatório, motoristas irresponsáveis, alcoolizados, desabilitados ou em alta velocidade, vão pensar duas vezes antes de cometer o crime em pegar o volante sem condições de conduzi-lo. Vão lembrar que a condenação de um crime de trânsito pode ir além do pagamento de cestas básicas e de pintura de meio fio. Vão lembrar ainda que dá cadeia, como um crime de homicídio culposo qualquer. Afinal, é a mesma coisa de pegar uma arma e sair atirando aleatoriamente.

Dessa vez a vítima foi André Jerônimo e a minha família, da próxima pode ser a de qualquer um. É preciso que essa cultura de beber e dirigir, de se confiar demais no volante mude. É necessária a conscientização já. É hora de dar um basta nessa irresponsabilidade. Não aguentamos mais ver essas mortes prematuras por motivos fúteis.

Sem dúvida esse júri foi uma grande vitória. Vitória todas as vítimas do trânsito. Tomara que a punição a partir de agora seja mais severa!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário