sábado, 11 de dezembro de 2010

Mais um pouquinho de Marituba do Peixe...



Fotos Láyra Santa Rosa

Para quem não sabe a região pantanosa da Marituba do Peixe é única em Alagoas. Pouco conhecida, ela realmente lembra o famoso Pantanal mato-grossense, explorada internacionalmente pelo turismo ecológico. Assim como na região Centro-Oeste, a Marituba do Peixe é formada pela quantidade excessiva de água e a mais variada vida selvagem. Cobras, Jacarés, lontras, capivaras, jaçanãs, galos d’água, gaviões e até falcões peregrinos vindos dos Estados Unidos na época de migração, podem ser encontrados na área de preservação.

Marituba do Peixe um paraíso na margem do Velho Chico

Foto Láyra Santa Rosa

Várzea da Marituba do Peixe. Sem dúvida um paraíso ecológico de águas claras, animais silvestres, de vegetação rica, que tenta sobreviver de perto com as ações do homem. Um verdadeiro pantanal em terras alagoanas, localizado às margens do Velho Chico. Poucas pessoas o conhecem.

A área funciona como berçário de várias espécies de peixes que alimentam o rio São Francisco e serve como sobrevivência para doze povoados ribeirinhas. São 18.600 hectares água e terra. Uma área tão grande que é o mesmo que colocassem 18.556 mil campos de futebol um ao lado do outro.

Esse éden, de ecossistema variado corta os municípios de Feliz Deserto, Penedo e Piaçabuçu. Hoje, depois de anos de esquecimento, se transformou numa Área de Preservação Ambiental (APA) e para continuar “viva” tenta se recuperar do desmatamento descontrolado, da pesca predatória, da caça de animais silvestres, da queimada, criação de lixões e da interferência continua do homem.

Estive nesse lindo local na última segunda-feira (6). Não pude comentar nada aqui no blog, porque essa é a minha matéria deste domingo no O JORNAL (tive que manter o segredo). O lugar é fantástico, mas como tudo que trata de meio ambiente é cheio de probleminhas que colocam em risco a beleza.

Não consegui confirmar com nenhum estudioso do Estado ou técnico do IMA, só arranquei talvez, mas durante meu trabalho tive uma grande dúvida, será que a Várzea, um paraíso ecológico pode ser atingido pela transposição do São Francisco. Eu acredito que sim, me baseio nessa informação porque tudo que acontece no Rio São Francisco, interfere diretamente no ecossistema do local. Com a transposição, a vazão de água vai diminuir ainda mais, então talvez tudo mude por lá e hoje, tudo que é cheio, fique mais seco... Ainda são talvez!!!

Outra questão que encontrei, e trago na minha reportagem, é relacionado ao trabalho dos órgãos ambientais que acabam esbarrado nas questões sociais da sofrida comunidade. Um deles é a liberação do recurso do defeso, que evitaria a pesca predatória. Só que um mês após o inicio da proibição de pesca, que começou no dia primeiro de novembro e vai até o dia primeiro de fevereiro, o recurso de um salário mínimo por mês que manteria os pescadores nesse período não foi liberado pelo Estado.

De mãos atadas, a pesca predatória continua. Em passagem pela APA do Marituba encontramos situações que provam o descuido com a natureza. Além de localizar uma queimada dentro da reserva ambiental, para abertura de passagem até uma área com maior quantidade de água, ainda encontramos várias redes de pesca espalhadas dentro do rio. Um absurdo, mas os pescadores não tem o que fazer.

Vou ainda mais longe sobre minha visão para o lugar, tenho certeza que a Marituba do Peixe tem um potencial turístico enorme, pouco aproveitado. Talvez a falta desses turistas na região, seja o que deixa o local ainda mais charmoso. Quem tiver de passagem pelo litoral Sul e quiser tentar conhecer o caminho mais fácil é por Piaçabuçu, pega umas estradas de barro, mas sem dúvida vale a pena, o lugar é mesmo lindo.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Ah, a nossa imprensa...

As vezes fico chocada com o que leio na imprensa, principalmente na mídia local. Infelizmente, muitos companheiros jornalistas fazem “qualquer” negócio por uma notícia, mesmo que ela não seja 100% verdadeira, só para ganhar ibope. É lamentável como as pessoas mudam o que escutam, para conseguir uma boa manchete.

Manchete, para aqueles que não sabem, é a principal reportagem de um jornal, site ou na televisão. É a notícia mais importante do dia. Já cansei de fazer matérias em que a explicação é uma coisa, onde o entrevistado frisa bem o que quer dizer e os “caça-manchetes” destorcem totalmente o que foi falado.

Lamento quando abro o jornal ou vejo a televisão sobre o mesmo assunto trabalhado por mim, e me deparo com uma informação errado. Fico pensado que o leitor ou o telespectador, vai ser iludido, enganado. Vai comprar um produto, crente que é de uma forma, quando na verdade é outra.

Infelizmente, ainda temos em nosso mercado muitos jornalistas que preferem se beneficiar com a manchete, a contar a verdade real, que talvez fique no meio da página do jornal (As notícias principais sempre ficam no alto). Não estou aqui querendo dizer que nunca errei uma informação ou que ela mudou durante o dia, mas falo da importância da sinceridade no que se escuta e que se apura. Essa é sem dúvida uma coisa que tento seguir na minha vida profissional.

Já cansei de trabalhar, principalmente no começo da minha vida jornalística, me deparando com companheiros de outros veículos, que criavam suas notícias. Ouviam uma coisinha irrelevante e contavam no outro dia CASOS mirabolantes. Quando abria o jornal para comparar os dois trabalhos ficava chocada, inclusive já levei carão de chefe por não ter aquela informação. Desesperada procurava a fonte para confirmar e saber se eu tinha deixado passar algo. O eu ouvia? Esse repórter (do outro veículo) criou isso, a sua matéria é a verdadeira. Moral da história, ganhei fontes e amigos de verdade, que tenho certeza que confiam no meu trabalho.

Outro fato é que não dá para acreditar 100% em fonte. Muitas podem falar a verdade e muitas vezes não. É preciso apurar bem, ouvir todos os lados da história, para então soltar uma informação. Os jornalistas precisam lembrar que uma reportagem errada pode gerar pânico na população, estragar a vida dos envolvidos. Diferente de uma boa, que pode ajudar e beneficiar quem realmente necessita.

Para aqueles que não sabem nossos sites – e olhe que já trabalhei em site – são grandes em suas barrigadas (informações não tão verdadeiras). Eles trabalham com a pressa, querem dar o furo um no outro e muitas vezes apuram de forma errada. Não são todos assim, mas uma grande maioria, feita dos “caça-manchetes” sim!!! Basta você abrir um site, outro e outro... As informações neles serão todas diferentes... Para o leitor... VALE FICAR ATENTO!!!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Foto feita por mim, na Lagoa Manguaba...

"Não sei o que mais me atrai... se são os contrastes do mar entrando na lagoa... se são os pássaros voando sem parar... os peixes pulando e mostrando que estão por ali... ou simplesmente, se é a força daqueles que vivem no entorno da Manguaba. Tudo é lindo, inspirador e passa ultrapassa as melhores sensações do bem estar".